Astrônomos investigam evento que originou o Sistema Solar

Compartilhe

De acordo com um estudo apresentado por astrofísicos da Universidade de Columbia e da Universidade da Flórida, ambas nos EUA, há vários bilhões de anos, a colisão entre 2 estrelas de nêutrons teria fornecido os ingredientes necessários para a formação o Sistema Solar. Na realidade, a teoria do choque estelar já existia faz tempo – e o objetivo da pesquisa apresentada agora foi o de explorar como, onde e quando exatamente esse evento se deu e avançar com esse conceito.

Cápsula do tempo

Segundo Nola Taylor Redd, do site Space.com, os astrofísicos examinaram a composição de meteoritos da época em que o Sistema Solar se encontrava em formação em busca de isótopos – variantes de um mesmo elemento químico nas quais o número de nêutrons em seus átomos diferem entre si – que dessem a eles pistas do provavelmente que aconteceu.

Ingredientes estelaresIngredientes estelares

Os isótopos se formam naturalmente, mas também por meio de processos externos que provocam alterações no núcleo dos átomos. Assim, elementos pesados – como seriam o plutônio, o ouro e a platina, por exemplo – se formam no Universo quando átomos são atingidos por nêutrons e, quando acontece a colisão entre essas partículas, pode ocorrer de os nêutrons (que têm carga neutra) emitirem elétrons (com carga negativa), o que faz com que eles emitam um elétron e se convertam em próton, alterando o átomo original.

Esse processo acima apenas acontece quando ocorrem poderosas explosões no Universo, entre elas as supernovas e as fusões estelares e, portanto, foi por isso que os astrofísicos foram investigar a composição dos meteoritos dos primórdios do Sistema Solar. Essas rochas espaciais basicamente funcionam como capsulas do tempo, uma vez que guardam em seu interior elementos e evidências do que ocorreu no passado pelo cosmos – e são os diferentes isótopos que ajudam a recontar a história.

Trombada estelar

Os cientistas calcularam a quantidade de isótopos radioativos presentes nos meteoritos e compararam os seus resultados com a quantidade e variedade de isótopos que seriam produzidas em decorrência de uma supernova e da colisão de uma dupla de estrelas de nêutrons. Os astrofísicos concluíram que, para que se formassem os elementos detectados, teria sido necessário ocorrer um choque estelar – e os isótopos “contaram” que esse evento teria ocorrido somente 100 milhões anos antes de o Sistema Solar se formar.

Onde o encontrão aconteceu?Onde o encontrão aconteceu?

As informações presentes nos meteoritos também permitiram que os astrofísicos calculassem a distância na qual a trombada aconteceu: mil anos-luz do nosso cantinho no cosmos. E, segundo Nola, os pesquisadores explicaram que pode parecer que uma colisão tendo lugar a uma distância absurda dessas teria pouco impacto aqui para nós, mas, se um evento semelhante ocorresse novamente, ele iluminaria todo o céu noturno aqui na Terra.

A única coisa que os astrofísicos não conseguiram determinar foi o local exato onde a colisão entre as estrelas se deu, visto que nos últimos 4,5 bilhões de anos – que é a idade do Sistema Solar –, o Sol não ficou paradinho no lugar. Isso porque, além de orbitar ao redor do centro da Via Láctea, a própria galáxia está se movendo pelo Universo, mas os cientistas ainda esperam encontrar outras estrelas que se formaram a partir da mesma colisão, bem como remanescentes do encontrão para definir o ponto onde ele aconteceu.

Astrônomos investigam evento que originou o Sistema Solar via TecMundo