Coronavírus já casou mais mortes nos EUA que ’11 de setembro’

Compartilhe

Na segunda-feira (30/03), informações divulgadas pelo rastreador online da Universidade Johns Hopkins mostraram um dado alarmante: o número de vítimas fatais do coronavírus nos Estados Unidos ultrapassou a quantidade de mortos nos atentados de 11/09/2001, chegando a mais de 3 mil pessoas. Mais de 163 mil pessoas estão infectadas no país.

O epicentro local da pandemia é o estado de Nova York, no qual mais de 67 mil pessoas estão infectadas e mais de 1,2 mil faleceram em decorrência da covid-19. A cidade de Nova York, por sua vez, sofreu com mais de 914 mortes até o momento. Infelizmente, as coisas tendem a piorar.

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

Segundo projeções da força-tarefa contra o coronavírus criada pela Casa Branca, o cenário mais catastrófico vitimaria em torno de 2,2 milhões de pessoas. O presidente Donald Trump, que inicialmente não demonstrava grandes preocupações com a doença, declarou que consideraria uma vitória, ainda que amarga, caso os esforços para conter a ameaça restrinjam o alcance mortal do vírus a 200 mil fatalidades.

“E se pudéssemos segurar essas estimativas, e, com isso, quero dizer cerca de 100 mil americanos – é um número horrível, talvez menos –, mas vamos considerar 100 mil. Caso consigamos manter entre 100 e 200 mil vítimas, estaríamos fazendo um bom trabalho”, declarou Trump.

Situação catastrófica

Em 2001, o atentado terrorista que chocou o mundo teve três alvos, incluindo as torres gêmeas do World Trade Center em Nova York. Foram registradas 2.753 mortes após terroristas sequestrarem o voo 11 da American Airlines e o voo 175 da United Airlines e os lançarem de encontro aos prédios. 

Além disso, em um ataque ao Pentágono, em Washington, 184 pessoas foram mortas após o sequestro do voo 77 da American Airlines; na Pensilvânia, outros 40 passageiros e tripulantes morreram com a queda do voo 93 da United Airlines.

Agora, a maior ameaça ao país pode causar baixas maiores que as registradas durante a 1ª e a 2ª guerras mundiais juntas. Registros históricos apontam cerca de 535 mil mortes de norte-americanos decorrentes dos eventos.

Os Estados Unidos são o país com o maior número de casos confirmados de covid-19, mais 163 mil, ultrapassando países como Itália (mais de 100 mil), Espanha (cerca de 88 mil) e China (mais de 82 mil). 

(Fonte: Unsplash)(Fonte: Unsplash)

Corrida contra o tempo

Para evitar a falta de leitos decorrente de números que não param de subir, Nova York está construindo hospitais militares no Central Park. Além disso, a Guarda Nacional de Nova York e o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA também construíram um hospital improvisado no Javits Center, aumentando a capacidade de atendimento local em mil leitos em menos de uma semana. Entretanto, a falta de recursos é um problema grave.

A Dra. Arabia Mollette, do Centro Médico do Hospital da Universidade Brookda, fez um apelo em entrevista à CNN: “Precisamos de uniformes, luvas, máscaras, respiradouros. Precisamos de mais espaço médico. Também precisamos de apoio psicológico. Não é fácil vir aqui quando você sabe o que está se preparando para enfrentar”, lamenta a médica.

No mundo, o coronavírus já infectou mais de 800 mil pessoas até a manhã desta terça (31/04), causando mais de 39 mil mortes. 172 mil infectados se recuperaram.

Coronavírus já casou mais mortes nos EUA que ’11 de setembro’ via TecMundo