NASA acha local do acidente com a sonda lunar indiana

Compartilhe

Nesta segunda-feira (2), um satélite da NASA que orbita a Lua encontrou o ponto exato da queda da sonda lunar indiana Vikram, que caiu em setembro tentando fazer um pouso na Lua.

A informação foi constatada pelo centro Goddard, que publicou imagens capturadas em setembro e em outubro de seu satélite Lunar Reconnaissance Orbiter (LRO). Com as imagens, foi possível detectar as marcas do impacto e os restos do módulo acidentado no solo lunar.

NASA teve dificuldade para confirmar o local da queda da sonda

(Fonte: NASA/Reprodução)

A NASA não conseguiu identificar os destroços através do primeiro conjunto de imagens enviadas em setembro, porque as imagens estavam mal iluminadas e muito escuras. Só em outubro que as novas imagens tiradas vieram com mais clareza e nitidez.

A sonda pôde ser encontrada por uma análise detalhada das fotos de antes e depois. Os destroços da Vikram foram descobertos a 750 metros do local do acidente e a equipe do LRO identificou ainda 20 peças de detritos e vários outros locais de impacto no solo lunar. 

A missão Chandrayaan-2 foi iniciada pela Índia dia 22 de julho e carregava consigo um veículo espacial de seis rodas. O objetivo da missão era alunissar e explorar o pólo sul da Lua, com o objetivo de cobrir e pesquisar uma região ainda inexplorada.

Quando a sonda estava apenas a 2 quilômetros de altitude da superfície, a comunicação foi perdida com os cientistas indianos. Com isso, o módulo não pôde desacelerar o suficiente para que o pouso seja efetuado com sucesso, acarretando no impacto.

Ainda em setembro, a Agência Espacial Indiana (ISRO) anunciou que a Chandrayaan-2 conseguiu localizar a sonda, porém não sabia ao certo se a sonda estava intacta ou danificada. Os registros ainda apontaram que a Vikram estava tentando estabelecer contato com a Chandrayaan-2, porém as tentativas não obtiveram sucesso.

Com o lançamento do projeto, a Índia tentava se tornar o quarto país, depois de Estados Unidos, Rússia e China, a conseguir pousar com sucesso uma sonda na Lua. E, com isso, também ser o primeiro país a conseguir executar este feito em um dos pólos do satélite, considerado um local de difícil acesso e ainda inexplorado.